Infoprodutor

Como faturar com infoprodutos correndo menos riscos?

30/09/2021
Como faturar com infoprodutos correndo menos riscos?

Com o mercado digital em constante crescimento, aumentou não só a busca dos consumidores para comprar cursos e produtos online, como também subiu o número de desenvolvedores desse tipo de conteúdo, os infoprodutores, que passaram a faturar com infoprodutos

Por um lado, mais de 10 milhões de pessoas fizeram sua primeira compra via Internet em 2020, segundo o portal de notícias G1. E por outro, o número de pessoas que criaram produtos digitais também apresentou crescimento. Foi um aumento de 75% de novos infoprodutores somente nos dois primeiros meses após o início da pandemia, conforme dados divulgados pela Hotmart

O resultado dessa oferta e demanda em maior volume é o aumento do faturamento e do trabalho requisitado para atender tamanha procura. E você, infoprodutor, que antes trabalhava como pessoa física e com uma estrutura pequena de negócios, pode se perguntar se realmente há necessidade de formalizar a sua atividade. 

Por que formalizar? 

Assim como o CPF identifica você, o CNPJ é o número que registra sua empresa e permite que o seu negócio seja reconhecido e formalizado, facilitando, por exemplo, a emissão de notas fiscais, o registro de marca e permitindo a contribuição para a previdência social e o acesso a diversos benefícios do INSS. 

Além disso, os tributos pagos por pessoa jurídica são mais vantajosos que os da pessoa física. Assim, você irá pagar menos impostos e estará regularizado com o Fisco, evitando, assim, problemas com a justiça. 

Até mesmo, na hora de realizar o saque, as principais plataformas de hospedagem de produtos digitais impõem restrições para quem trabalha sem CNPJ – na Hotmart, Eduzz e Monetizze, por exemplo, esse limite é de R$1.900,00/mês, ficando o valor restante retido. 

Formalizando a sua empresa ao faturar com infoprodutos

Sabendo disso, chegou a hora de formalizar o seu negócio. E um dos primeiros passos é a abertura e registro no CNPJ. 

Mas antes de abrir o CNPJ, você e o seu contador deverão passar por uma etapa importante: a definição do modelo tributário da sua empresa. 

Calma, que eu explico! 

O nome só parece ser complicado, mas basicamente, nessa etapa vocês determinarão se a sua empresa será regida pelo modelo de MicroEmpresa Individual (MEI) ou Simples Nacional (SN)

Definir esse quesito implica na forma de tributação a qual sua empresa estará sujeita. Ou seja: os benefícios e responsabilidades fiscais disponíveis para o seu negócio. 

E um dos fatores principais para essa escolha é o faturamento. Por isso, é importante levar em consideração quanto entrou em caixa recentemente e fazer uma estimativa do faturamento dos próximos meses. 

Como faturar com infoprodutos usando um modelo tributário para chamar de seu 

Deste modo, conheça as principais diferenças entre MEI e Simples Nacional e entenda qual dessas modalidades é a melhor para enquadrar a sua empresa. 

– MicroEmpresa Individual (MEI) 

A modalidade ideal para você que já lançou o seu produto digital ou que está prestes a começar do zero, com baixo ou nenhum faturamento e que ainda não possui contratos que garantam o recebimento de ganhos futuros. 

A MEI possui carga tributária menor e mais simplificada. E na hora de pagar o seu imposto, ser MEI vai facilitar a sua vida! Isso porque o recolhimento é feito de forma única e mensal através do Documento de Arrecadação Simplificado (DAS). 

Os valores variam entre R$56 e R$61, a depender do segmento da sua empresa, no qual R$55 destinam-se à contribuição com o INSS, garantindo alguns benefícios sociais. 

O processo para se formalizar sendo MEI é rápido e simples, feito por meio do Portal do Empreendedor. E você não é obrigado a realizar a contabilidade mensal ou ter um contador vinculado ao seu CNPJ, porém é necessário realizar o Livro Caixa e entregar a Declaração Anual do MEI. 

No entanto, apesar das vantagens, estar enquadrado como MEI traz algumas limitações para o seu negócio e que devem ser consideradas nessa decisão. 

Uma vez que a sua empresa passa a crescer constantemente, em dado momento, você sentirá a necessidade de contratar funcionários para delegar tarefas e, assim, impulsionar o desenvolvimento. 

No entanto, sendo MEI, você poderá contratar somente 01 funcionário CLT, limitando, assim, o crescimento da empresa e trazendo prejuízos no longo prazo. 

Faturamento anual

Outro fator limitante é o faturamento anual. A receita proveniente das atividades da sua empresa ao longo do ano não pode ultrapassar o teto máximo de R$81 mil. 

Entretanto, basta que você faça um “6 em 7” (lançamento de infoproduto com faturamento de 6 dígitos em 7 dias) para exceder essa margem. 

Além disso, sua atividade deve se enquadrar em umas das atividades permitidas para esta modalidade. E, caso você queira ter participações em outras empresas como sócio ou proprietário, se tiver inscrito como microempreendedor individual, não será possível. 

– Simples Nacional (SN) 

Se você já possui contratos que possam te dar garantias de recebimentos futuros que excedam o faturamento de R$81 mil/ano, escolha o Simples Nacional para a sua empresa. 

Nessa modalidade, o seu negócio será considerado com o porte empresarial de uma MicroEmpresa (ME) ou uma Empresa de Pequeno Porte (EPP). Com isso, você estará livre da limitação de contratação de apenas 01 funcionário, que é obrigatória para o MEI. 

Apesar de ter uma carga tributária maior em relação ao MEI, é simplificada e o recolhimento do imposto é feito em guia única de forma mensal. As alíquotas são mais baixas e determinadas de acordo com a atividade executada e a faixa de faturamento. 

Para aderir é obrigatório realizar o contrato social ou o requerimento de empresário e registrar-se em alguns órgãos específicos, como a Junta Comercial, a Receita Federal e a Prefeitura Municipal. 

Também é importante realizar os relatórios contábeis mensalmente, mesmo que não haja movimentação em caixa, demandando, assim, os serviços de um contador. 

Portanto, seja como MEI ou SN, estar formalizado garante a você, infoprodutor, mais segurança. Permitindo, assim, que o seu foco esteja na expansão das suas atividades e no desenvolvimento da sua empresa no mercado digital. Dessa forma você passará a faturar com infoprodutos sem correr riscos!

Se você ainda tem dúvidas ou precisa de auxílio, entre em contato com a autora desse post: 

Claudelia Cerveira
@contadoraclau
(91) 98141-6813 

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *